quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Talvez

Talvez, realmente esse sentimento seja passageiro.
Talvez,o amor passe, o carinho acabe e a admiração cesse.
Talvez, um novo amor floresça na mesma intensidade e cresça.
Talvez, o abraço até hoje esperado não tivesse o aconchego sonhado e idealizado.
Talvez, as palavras tenham sido vãs e palavras vãs são como o vento apenas vão com a mesma rapidez que chegam.
Talvez, as palavras não foram ditas com amor e sim no momento do calor do sentimento, da conquista, e, dessa forma, não virou rocha. Mas criou em mim esperança, cultivadas baseadas na ilusão de suas palavras vazias.
Talvez, tenha chegado o momento de desligar-me de ti. Os anos passaram ... estão passando e ainda continuo aqui agarrada ao naufrago do amor dedicado a ti.
Talvez, eu não queira afundar, por isso preciso nadar, levantar e respirar.
Talvez, morrer por amor não compense a dor.
Talvez, aprendo com você que amores vem e vão. Sem apego assim afasto o sentimento.
Talvez, um dia você veja que amor é só poema. E poema para poucos, talvez somente para os loucos. Amor tem apreço, carinho, aconchego e respeito; não vive de trocas e oportunidades expostas, ou talvez, eu esteja errada e o amor realmente seja um jogo interessante para quem quer apenas um amante.
Talvez, eu apenas esteja vagando sobre essa mesa com uma caneta esperando um fim que nunca chega.
Talvez, eu apenas ESQUEÇA. E ACORDE antes que anoiteça!